EnglishEsperantoFrenchGermanItalianPortugueseSpanish
EnglishEsperantoFrenchGermanItalianPortugueseSpanish

olimpiadasEra verão de 1936.  As Olimpíadas estavam sendo realizadas em Berlin, no coração da Alemanha nazista.  Como Hitler afirmava que os seus atletas eram representantes de uma “raça superior”, os sentimentos nacionalistas estavam excepcionalmente exacerbados.
Jesse Owen, jovem atleta negro norte-americano, era promessa de muitas medalhas olímpicas para seu país, especialmente na sua especialidade, o salto em distância.
Quando chegou o momento das eliminatórias para a prova, Jesse Owen espantou-se com a performance de outro jovem, alto, ariano, que ele ficara sabendo ser Luz Long – o representante alemão para o salto em distância
Jesse Owen pensou que se Luz Long vencesse, isso iria fortalecer a teoria da superioridade ariana dos nazistas.  Um tanto aborrecido, Jesse resolveu mostrar ao Führer e a sua raça “quem era superior e que não era”.
Um atleta irritado é um atleta que comete muitos erros.  Nos dois primeiros saltos de qualificação, Jesse Owen cometeu vários erros e não atingiu a marca mínima para a classificação, algo impensado para um atleta de sua categoria.  Muito raivoso, encaminhou-se para a última tentativa, quando sentiu uma mão pousar suavemente em seu ombro.  Era o Jovem alemão:
– Meu nome é Luz Long, Jesse Owen.  Creio que ainda não nos conhecemos – disse o imenso saltador, com muita cordialidade.
– Prazer em conhecê-lo – murmurou o norte-americano.  Como Vai?
– Eu vou muito bem.  Eu quero saber como vai você?  Deve estar preocupado com alguma coisa.  Sei que tem condições para se classificar com um pé nas costas!
Os minutos de conversa foram tranqüilizadores para Jesse Owen, que sentiu no seu rival um amigo.  A raiva contra o povo germânico havia passado e, seguindo uma dica do alemão, saltou 30 centímetros antes da marca, para não queimá-la, atingindo a distância necessária para a classificação para a prova final.
À noite, Jesse Owen procurou Luz Long na Vila Olímpica para conversarem – sabia que, não fora por ele, provavelmente não iria saltar nas finais do dia seguinte.  Ao se despedirem, sabiam que uma verdadeira amizade se formara.
Nas finais, era óbvio que ambos queriam a vitória, mas o que mais desejavam era dar o máximo de si, mesmo que isso significasse a vitória do outro.
Luz Long saltou batendo seu recorde anterior.  Isso estimulou a Jesse Owen a uma atuação excepcional.  Quando tocou no chão estabelecendo novo recorde mundial e ganhando a medalha de ouro, Luz Long estava ao seu lado felicitando-o. Embora Hitler, visivelmente abatido, estivesse a menos de 100 metros de distância, ele apertou a mão efusivamente do vencedor, demonstrando verdadeiro carinho e respeito pelo atleta negro.
Alguns anos mais tarde Jesse Owen teve a oportunidade de dizer que “se fundissem todas as medalhas de ouro e taças que possuo, não seria o suficiente para revestir a amizade de 24 quilates que senti por Luz Long naquele momento. Compreendi quando o Barão de Coubertin pensou ao declarar que ‘o importante não é vencer, mas competir’. O essencial na vida não é conquistar, mas lutar bem”.
Fone: História baseada em depoimento de Jesse Owen. / Seara Espírita – Junho de 2006. 

“O grande segredo para a plenitude é muito simples: compartilhar”
Sócrates

Publicado na coluna da Liga Espírita Pelotense no dia 06 de Agosto de 2012 – JORNAL DIÁRIO DA MANHÃ.

Loja de Livros

Procure um Livro

Publicações Recentes

Carrinho Item Excluird. Desfazer
  • Nenhum produto no carrinho.