EnglishEsperantoFrenchGermanItalianPortugueseSpanish
EnglishEsperantoFrenchGermanItalianPortugueseSpanish

ViverDepois de ser criado por Deus, simples e ignorante, o espírito vive e progride sempre, inclusive em cada encarnação, que é o viver no corpo, enfoque deste texto. Mas, como encarar e o que é preciso para “o viver”?
Em nossa condição de encarnados, o mais básico e maior bem é a vida que foi muito desejada pelo espírito antes de encarnar e foi conseguida por mérito e por necessidade. E, como compôs e canta Gonzaguinha, continua “sempre desejada … ninguém quer a morte”. Na mesma música conclama: “Viver e não ter a vergonha de ser feliz”.
Para o Espiritismo, como consta na questão 880 de O livro dos espíritos, o primeiro de todos os direitos naturais do homem é o de viver. Assim, ninguém tem o direito de atentar contra a sua vida e a dos outros. Por isso que a doutrina espírita exalta e valoriza a vida, bem como esclarece sobre como viver bem, sem abreviar a morte. Esta doutrina, de acordo com Emmanuel, destaca a jornada do espírito na expressão “Nascer, viver, morrer, renascer ainda e progredir sempre, tal é a lei” que, como se vê, inclui o ciclo biológico, que só é ciclo porque se repete, com o progresso constante. O movimento espírita tem campanhas permanentes de preservação e valorização da vida. As leis civis e penais também possuem determinações significativas nesse sentido.
Jesus, ao exaltar a vida, nos consola e esclarece em muitas passagens, como nas seguintes: “Ora Deus não é Deus de mortos, mas de vivos; porque para ele vivem todos” (Lc. 20:28); diz-nos que Ele veio para que tenhamos vida e a tenhamos com abundância. (João 10:10). Isto é dez mesmo! Mas isto vale para quem conhecer e praticar Seus ensinamentos, como consta em João, 14.
É necessário encontrar razão para viver (Tim Maia) ou sentido para a vida (Logoterapia, de Viktor Frankl), o que para o Espiritismo consiste no progresso intelectual e moral. Esse objetivo de progressos desdobra-se em muitos aspectos, dentre outros: suportar, aprender com e superar os sofrimentos, comuns a todos; buscar e aproveitar oportunidades, que são muitas; aprender o que é e praticar o bem.
Enfim, viver é inevitável e é preciso saber viver.
Fonte: Departamento Doutrinário da Liga Espírita Pelotense

Publicado na coluna da Liga Espírita Pelotense no dia 04 de Setembro de 2011 – JORNAL DIÁRIO POPULAR

Loja de Livros

Procure um Livro

Publicações Recentes